sexta-feira, 6 de julho de 2018

A Noite



Hoje, dobrado o primeiro mês de greve — ainda sem terra firme à vista — trago-vos um poema meu, escrito num momento difícil da minha vida, que as trevas tentaram aproveitar para me povoarem o coração e se apoderarem de mim. Foi assim que as venci. Amanhã, caras colegas e caros colegas de todo o país, dedicar-vos-ei uma… Ia dizer “missiva”, mas será apenas um elixir.


A Noite

A Noite veio ao meu leito
Falar-me do silêncio do medo
E das horas sós
E eu enfrentei a Noite
Toda a noite
Com a força da minha voz

Veio falar-me do Outono
Da fúria do vento
E da força do Mar
E eu encarei a Noite
Toda a noite
Com a paz do meu olhar

A Noite trazia no peito
O deserto a dor
A vida crucificada
E eu entreguei-me à Noite
Toda a noite
Até à Madrugada

A Noite veio de noite
Falar-me do sono
Da Morte e de mim
E eu possuí a Noite
Toda a noite
Até ao fim

Sem comentários:

Enviar um comentário