quinta-feira, 5 de julho de 2018

97% dos professores… Ora vamos lá ver!



De facto, poucas coisas, nos dias que correm, me poderiam fazer rir tanto como esta notícia que hoje foi posta a circular (em bruto) na comunicação social: 97 em cada 100 professores não aceitam perder um único dia que seja do tempo congelado. É claro que não. Todavia, convém não fazer nem estreitamentos nem encarreiramentos interpretativos. Esses… só me fazer rir.
Não aceitando perder um dia que seja, na verdade, falta saber quantos professores estão dispostos a converter todo o tempo congelado (com anos, meses e dias completinhos) em bonificação na contagem do tempo para a reforma. É claro que a minha perceção (empírica, como é evidente) diz-me que são muitos, mas mesmo muitos, em número arrasador.
Todavia a minha vontade de rir não resulta apenas deste facto. Ela é substancialmente incendiada pelo modo como uma certa falange, que até aqui se tem eriçado e encarniçado contra a Plataforma Sindical, sobretudo contra a FENPROF, em geral, e Mário Nogueira, em particular, agora veio imediatamente a terreiro subscrever os resultados deste inquérito (subscrevendo, assim, o modo como foi concebido) e o partido que dele se pretende tirar. Dá-me, realmente, muita vontade de rir!
Sou assumido defensor da referida conversão, mas jamais defendi que deva ser imposta a quem não a desejar. Pugno para que seja uma alternativa para apenas para quem entender aceitá-la. Liberdade é a possibilidade de escolher, não o contrário. E tudo tenho feito para não me tornar fundamentalista. Assinei a ILC e, apesar do estandarte que ergui, tenho estado também, de corpo e alma, ao lado de todos os que exigem a contagem pura e simples de todo o tempo, ainda que de modo faseado. O que eu não aceito, de modo nenhum, é que esse tempo caia no esquecimento. Quanto ao modo de o Estado o assumir, sou a favor da negociação, sem áreas proibidas nem invenção de papões que vêm aí para comer os professores mais novos. Essa, então, faz-me mesmo cair para o lado de tanto rir, porque me traz à lembrança a história do Capuchinho Vermelho.

6 comentários:

  1. Convertia mesmo! A pressão não parece estar desse lado. Antes levar a luta para setembro/outubro sem negociar! Tudo demasiado previsível...oxalá me engane!

    ResponderEliminar
  2. Se alguém tem essa intenção, está a instrumentalizar esta luta, todos os que nela participam e todos os que vão sofrendo as suas consequências.

    ResponderEliminar
  3. "Subscrevo as palavras do Mário Nogueira e relembro os perigos para os professores mais novos…" Alexandre Henriques
    Quais perigos? Uma coisa ( aposentação e contagem integral) é independente da outra. Os lugares em aberto dos mais velhos só iria trazer benefícios.

    ResponderEliminar