terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Persona Non Grata



Declaro o ComRegras persona non grata no Quadro Negro.
Para mim, aquela que me parece ser a linha editorial do referido blogue transmite — não digo que seja intencionalmente — aos leitores demasiada resignação, demasiado conformismo com determinadas orientações políticas, organizacionais e pedagógicas que eu, aberta e frontalmente, combato, porque as considero ruinosas para a Escola Pública e para as expectativas socias daqueles que mais podem beneficiar desse serviço público de educação.
 São, para mim, em demasia as mensagens de irreversibilidade — de certas intenções e medidas, como a flexibilidade curricular, o regime de gestão, a regionalização… — sendo frequentemente reiterada a ideia de que é apenas uma questão de tempo. Não digo que a intenção seja a de incutir nos leitores o acatamento e a resignação, mas estou solidamente convencido de que é esse o efeito produzido.
Esta minha decisão nada tem de pessoal. Trata-se de uma atitude coerentíssima com aquela que tem sido a minha postura “bélica” desde que criei o Dardomeu. Não é radicalismo (penso eu), é clareza e alta definição. 

5 comentários:

  1. Mais vale ser persona non grata que ingrato...

    http://www.comregras.com/blogosfera-morte-do-bravio/

    http://www.comregras.com/regresso-luis-costa-ex-bravio-os-eucaliptos/

    Curioso que quis dar-te voz no ComRegras, exatamente por saber que tínhamos linhas de pensamento opostas para assim promover o debate e não associar o ComRegras a uma única ideologia. Aceitaste, escreveste 1 ou 2 artigos e depois adeus, sem qualquer justificação, ou uma palavra de consideração... Aliás, já percebi o estilo dramático das aparições e sucessivos desaparecimentos.

    É pena que tenhas pouca memória e para quem luta tanto pela liberdade de expressão, que não aceites que possam existir pessoas com outra opinião, sem chegares ao ponto de fazeres caricaturas insultuosas.

    És a 2ª pessoa que eu admirava na blogosfera e que me desilude profundamente. Vivendo e aprendendo...


    Ficamos por aqui Luís. Tudo de bom para ti e para os teus.

    Assinado: Persona non grata

    ResponderEliminar
  2. Ingrato?!! Tenho o corpo cheio de feridas ganhas a defender os outros. E eu poderia estar tão bem instalado, se quisesse!

    Não escrevi um ou dois artigos, escrevi cinco crónicas. Saí quando me disseste que já não poderias garantir o que ficara acordado (crónicas quinzenais, à quarta-feira, alternando com as crónicas de Santana Castilho no Público). Como isso aconteceu imediatamente depois do teu célebre encontro com João Costa, acreditei, humanamente, que as minhas palavras eram inconvenientes e se estavam a tornar prejudiciais para a tua pessoa. E regressei à minha vida solitária.

    Como disse no artigo a propósito do qual estamos a conversar, nada tem de pessoal a minha atitude. O que realmente defendes (não tudo, como é óbvio, mas o mais importante) está nos antípodas do meu estandarte. É só por isso, Alexandre!

    Presumo que a outra pessoa seja o Paulo, pois não acredito que admirasses assim tanto o Reitor.

    Retribuo os desejos, com sinceridade.

    PS: “Acabar com o peso das mochilas em três tomos”
    “Os eucaliptos”
    “Máquina de tortura”
    “Objeção de consciência”
    “Síndrome da violência e da indisciplina aprendidas”

    ResponderEliminar
  3. Não me recordo de ter faltado a qualquer acordo e se o fiz bastava uma simples conversa para esclarecer o sucedido. Sobre a ligação do meu encontro com o João Costa com as tuas crónicas... bem... aprecio a tua criatividade mas lamento desiludir-te pois o teu nome nunca veio à baila pois o assunto do encontro foi para apresentar propostas no combate à indisciplina escolar. E para confirmar o que digo, apenas um pequeno pormenor... encontrei-me com o João Costa em março de 2016 e o teu primeiro artigo no comregras foi a 18 de janeiro de 2017.

    E para quem estava tão preocupado em não ser prejudicial para a minha pessoa, este artigo e a imagem anterior são para quê? Não sou vassalo de ninguém, nem tenho de agradar a ti ou ao João Costa, digo o que penso, critico e elogio conforme as minhas ideias. Um puro exercício de liberdade e o ComRegras é isso, um espaço onde todos podem partilhar as suas ideias, concorde ou discorde, por isso fiz tanta força para lá escreveres. Se julgas que ando a fazer "panelinha" com alguém, esquece meu caro, não é mesmo o meu estilo.

    P.S - lamento que não tenhas falado comigo em privado, porque isto é conversa que não devia estar a ser feita aqui, mas como me atacaste publicamente, tenho de me defender publicamente.

    ResponderEliminar
  4. Olha, Alexandre, o texto que vou colar mais abaixo acabei de o retirar do ComRegras. Não é a data da minha primeira crónica que interessa, é a data da última.

    Aqui está o excerto do teu artigo, com data de 12 de fevereiro de 2017, no qual tu mencionas já o encontro com João Costa. Por mim, o assunto fica encerrado.

    «Entrevista | “Caminhamos para o facilitismo Sr. Secretário de Estado?”
    Por
    Alexandre Henriques
    -
    12 Fevereiro, 2017



    No dia seguinte à apresentação do estudo sobre indisciplina, estive reunido com o Secretário de Estado João Costa. Já tinha uma opinião positiva sobre ele, e esse encontro veio apenas reforçar o que já pensava. Um dos maiores problemas entre o Ministério de Educação e professores em geral, é o distanciamento que existe entre ambos. Num passado recente, seria impensável um Secretário de Estado responder a umas perguntas de um blogue qualquer… ser humilde e saber ouvir terceiros é um dom que nem todos possuem. Felizmente que esta equipa ministerial tem essa capacidade, independentemente das suas ideologias e opções estratégicas, é seguramente um bom principio. Que assim continue!»

    ResponderEliminar
  5. Tens razão. Estive com ele depois da apresentação do 2º estudo e não do 1º que sim data de março de 2016. Mas nada muda o que disse anteriormente.

    ResponderEliminar