quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Marcelo, António Costa, o Capuchinho Vermelho e os professores


Conhecendo o carisma de Marcelo Rebelo de Sousa, conhecendo jogo de cintura de António Costa e a ascendência que o primeiro tem sobre o segundo, não era preciso mais nada para um entendedor assim-assim poder futurar as consequências das “oportunas” palavras do Presidente da República (não se estragar agora o que foi conseguido com muito esforço e sofrimento), após o acordo assinado pelo Ministério da Educação. Para António Costa, foram ouro sobre cinzento: ouro, porque lhe escancararam as portas do recuo; cinzento, porque fora contra vontade que o Governo verbalizara o conteúdo do  dito acordo. Se não foi assim, sempre pareceu, e muito!
O que realmente destoa imenso neste quadro é o papel de Capuchinho Vermelho feito pelos sindicatos, que pouco ou nada parecem ter aprendido com os memorandos de entendimento de péssima memória. C’um catano, sindicatos, a nossa crença tem limites! Se não vos pondes mais finos e não aprendeis com aquele que dizem ter morrido de velho, ainda acabais por ficar na foto da interpretação como parceiros de marosca (que não sois, verdade seja dita e redita). Resumindo e concluindo: lembrai-vos sempre de perguntar ao Governo por que motivo tem aquela boca tão grande.
No topo da cauda, bem junto à foz do corpo, parece que estamos nós, os professores, com aquela horrível sensação de estarmos constantemente a ser “encaudados” e não sabermos nem porquê nem por quem
E é isto, vezes sem conta!  Irra!!!

4 comentários:

  1. Tenho dito: "encaudados" e bem f@did@s! Se os sindicatos fossem meus alunos, chumbavam por burrice, ou seja, repetição dos mesmos erros, os pseudoentendimentos! Farto destes palhaços!

    ResponderEliminar
  2. Eu estou mais inclinado para o papel de Bela Adormecida! Imagem de Kaos in the Garden (fragmento)
    https://duilios.files.wordpress.com/2018/01/mario-nogueira-isabel-alcada-bruxa-bola.jpg

    ResponderEliminar
  3. Sim, também lhe assenta bem, neste processo, acreditando que as "coisas" são o que parecem. :)

    ResponderEliminar