sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Chegou a resposta do Ministério da Educação



Contrariando muitas expectativas — de quem previu que o e-mail por mim enviado ao ministro da Educação seguiria diretamente para o lixo informático — recebi, há algumas horas, a resposta. Foi assinada pela Diretora dos Serviços de Gestão de Recursos Humanos e Formação, Maria João Martins Vieira. O conteúdo não é o ideal: esclarece que a matéria aludida é da competência da Caixa Geral de Aposentações e aconselha-me a encaminhar a proposta para essa instituição.
Não estranhei absolutamente nada a resposta lacónica e meramente administrativa. Como é óbvio, não esperava que o ministro da Educação tratasse de um assunto da competência do seu e de outros ministérios, e nem sequer me passou pela mente que pudesse ocupar-se de uma proposta de um professor em particular. Como facilmente se depreende, pretendia apenas fazer chegar a ideia ao Governo, para poder ser minimamente considerada, talvez encaminhada, talvez estudada…
A resposta da DSGRHF não é animadora, mas tem algo de positivo: sabemos que a missiva foi lida. Portanto, a ideia chegou onde e a quem eu pretendia que chegasse. Agora há que deixar o tempo fazer o seu trabalho (ou não).


6 comentários:

  1. Respostas
    1. Não há motivo para agradecer, Armando.
      Continuemos a porfiar. Talvez devamos escrever também à Caixa Geral de Aposentações.

      Eliminar
  2. Deviam ter enviado mais colegas. Mas infelizmente só dá trabalho às secretarias.

    ResponderEliminar
  3. Concordo plenamente. Se todos os professores que concordaram com a ideia tivessem escrito... Ainda assim, não perdemos nada em continuar a alimentar a sugestão, como referi no comentário anterior. Absolutamente nada!

    ResponderEliminar
  4. Respostas
    1. Se tivéssemos sido milhares a receber esse e-mail... a conversa poderia ser outra: talvez a resposta tivesse de ser mais política e menos administrativa. Queremos, mas... chegado o momento, por norma, não damos o passo que se impõe.

      Eliminar