domingo, 31 de dezembro de 2017

Votos para 2018




Ao longo destes quatro últimos dias deste ano, fui manifestando, no Facebook, os meus desejos para 2018. Doze, no total, em quatro parcelas iguais: três dedicados aos professores, três dirigidos aos diretores, três relativos aos sindicatos e três respeitantes ao Ministério da Educação.
Decidi reuni-los e publicá-los também no Quadro Negro, para possibilitar uma visão de conjunto e, sobretudo, para proporcionar também a leitura a quem não navega naquela rede social.
Sonho demasiado? Talvez. Porém, não estou a desejar nada “do outro mundo”, mas apenas o que — creio eu e creem muitos professores — seria desejável e… perfeitamente possível. Não tenho dúvidas de que a realização progressiva destes desejos traria muita brancura a todo o sistema educativo: BRANCURA em toda a sua extensão simbólica.
Sei que faço erguer contra mim muitas antipatias, outras tantas más vontades e algumas aversões, mas também estou ciente de que tenho muitos mais colegas que me estimam, que se reveem nas ideias que expresso e nas lutas que travo. Sinto que a minha voz — por vezes pungente, por vezes aflita, por vezes estridente, por vezes implacável — é o som sintático de um mar de silêncios. Mas não é apenas por estes que aqui me dou (ao sacrifício, muitas vezes), é por todos, mesmo por quem me detesta, por quem gostaria de me ver arrasado numa arena quente. Ainda assim, continuo, porque só obedeço a princípios e valores, não a interesses nem a simpatias ou antipatias. E acreditai que não desfrutarei de alguns dos troféus pelos quais tanto me exponho. Não erguerei o seu ouro!
Para que não restem dúvidas sobre quem combato e o que combato, terei de dizer três frases inequívocas: “amo” a diretora da minha escola, tenho uma consideração ENORME pelo presidente do conselho geral e sou muito amigo de alguns diretores. No meu estandarte não estão nem os meus pés nem o meu umbigo. Não é a minha sombra que me move.
Porque é sobre os ombros dos professores que tudo cai e todos pisam, desejo a todos os meus colegas (todos, sem exceção) um 2018 de união, de libertação e de realização profissional. Nos arrabaldes desse anseio — já para lá dos limites da razão — ainda ouso sonhar com “O Ano dos Professores”. Agora, sim, já estou a voar!

4 comentários:

  1. Assino tudo o que escreveste
    Abraço e feliz 20!8

    ResponderEliminar
  2. Sabes que é difícil concretizar muitos deles... a começar pelo 1.º... ou pelo último... Aqui, também a ordem é arbitrária. ;)

    Um ano novo novo todo o ano :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é verdade, mas nenhum deles é impossível! :)

      Igualmente (quanto ao "ano novo novo todo o ano")!

      Eliminar