segunda-feira, 6 de novembro de 2017

A classe-caracol


Atualmente, poucos duvidarão que a classe política do chamado arco da governação decidiu usar os professores como otários privilegiados da crise. Será castigo pelo laxismo geral? Será pena pesada por abuso de incompetência? Ou será por ser uma classe calada, resignada e obediente?
 As duas primeiras questões têm, na minha perspetiva, resposta fácil e rápida. Não querendo arriscar extrapolações nem generalizações, direi apenas (com modéstia) que os professores não receiam nenhuma comparação, no que toca a tempo dedicado à profissão. Também não receiam comparações no que toca a formação e qualificações para o exercício da profissão e das inúmeras vertentes que abrange. Os professores constituem, presentemente, uma autêntica classe-caracol, sempre com a escola às costas, seja a que horas for, estejam onde estiverem. Não é, de certeza absoluta, por falta de competência(s) nem de dedicação plena (muito mais do que plena) que os professores sofrem de discriminação negativa. Só nos resta, portanto, a terceira questão.
Para mim, a resposta também é óbvia. Vejo-a tão concreta e tão nítida como este ecrã de computador que tenho diante das retinas: somos maltratados porque estamos muito divididos, porque não somos tão solidários uns com os outros como somos com os alunos e com as comunidades que servimos; porque somos ousados, megalómanos, a aceitar todas as incumbências e responsabilidades que descarregam sobre nós, mas receamos dizer “não”, dizer “basta” quando se trata de nós mesmos; porque somos absolutamente renitentes quando se trata de um eventual prejuízo causado a alunos e/ou encarregados de educação, mas aceitamos pacificamente todos os prejuízos que nos infligem, como se fosse esse o nosso fado, a nossa única via; porque nos secundarizamos constantemente! É por isso que nos secundarizam tão facilmente!
Desta vez — porque o tempo tem muito de derradeiro — é chegada a hora de dizermos (POR UMA VEZ) “Nós primeiro!”

2 comentários:

  1. "... porque nos secundarizamos constantemente! É por isso que nos secundarizam tão facilmente!" Sem dúvida!!

    ResponderEliminar